Saiba onde tem o melhor preço antes de comprar
BuscaPé, líder em comparação de preços na América Latina
BuscaPé, líder em comparação de preços na América Latina

quarta-feira, 8 de agosto de 2007

Disjuntores

O disjuntor é um equipamento de proteção contra sobrecargas ou curto-circuitos. É, também, muito utilizar como interruptor.

Ele deve sempre ser ligado na(s) fase(s), nunca no neutro (apesar de haver modelos trifásicos com entrada para neutro). Há uma simples explicação para isso: é a fase que ocasiona o choque elétrico, então não faz sentido deixar de interrompê-la para interromper o neutro.

O disjuntor é composto basicamente pelos contatos, um bimetálico e um circuito magnético.
  • Contatos: servem para seccionar o circuito, intencionalmente (manobra de uma pessoa) ou de forma automática (sobrecarga ou curto-circuito).
  • Bimetálico: detecta sobrecargas. É uma lâmina composta por dois tipos de metais, de dilatação diferente. Assim, com o aumento da temperatura (devido ao aumento da passagem da corrente elétrica), a lâmina tende para o lado do metal de menor dilatação, até um limite onde o bimetálico sairá do circuito.
  • Circuito magnético: detecta curto-circuitos. Como no início do curto-circuito, a corrente aumenta muito e de modo instatâneo, há uma detecção pelo circuito magnético (devido a grande variação do fluxo magnético).

Em muitas instalações bifásicas, o pessoal utiliza 2 disjuntores monofásicos, o que é errado! Pois, em caso de problemas, apenas um disjuntor desarmará, enquanto o outro continuará com continuidade. Assim, a fase continuará chegando no equipamento, que no momento de manutenção, pode causar acidentes. Vale lembrar que motores trifásicos podem queimar por falta de uma fase, ou seja, não utilize 3 disjuntores monofásicos para proteger o circuito dele, e sim, apenas um tripolar.

Para seu dimensionamento, faz-se necessário conhecer a corrente nominal do circuito que ele irá proteger e a corrente máxima do condutor. A corrente de desarma do disjuntor obrigatoriamente tem que estar entre as duas citadas anteriormente:

  • Maior que a corrente nominal do circuito: senão, em condições normais, com o circuito todo carregado, o disjuntor desarmaria;
  • Menor que a corrente máxima do condutor: é a função principal do disjuntor, proteger a instalação elétrica. Assim, antes que chegue a corrente máxima suportada pelo condutor, ele deverá desarmar.

Se entre ambas houver apenas um disjuntor (por sua corrente nominal (de desarme)), projete-o. Caso contrário, siga os seguintes passos:

  • Para o disjuntor 1, multiplique-a por 1,9 (se disjuntor for menor ou igual a 10A), 1,75 (de 16A a 25A) ou 1,6 (maior que 25A). Se este resultado for menor ou igual ao produto da corrente máxima do condutor por 1,45, este disjuntor pode ser utilizado.
  • Para o disjuntor 2, faça a mesma coisa.
  • Se ambos poderem ser utilizados, você terá que usar o bom-senso para que: a corrente nominal do disjuntor não fique nem tão próximo à corrente nominal do circuito, e nem tão próximo à corrente máxima do condutor. Vale também considerar utilizar o disjuntor de menor amperagem para circuitos resistivos.

Se o disjuntor for instalado em ambientes de alta temperatura (acima de 40ºC), faz-se necessário acrescentar mais uma condição para seu dimensionamento: a corrente nominal do circuito tem que ser igual ou menor do que o produto da corrente nominal do disjuntor pelo fator de temperatura (a tabela pode ser encontrada facilmente na Internet). Isso porque o disjuntor já estaria aquecido, e desarmaria em uma corrente menor do que a projetada para ele. Desse modo, é projetado um disjuntor de maior amperagem para compensar o aumento da temperatura.

Lembrando que, caso a temperatura do ambiente volte a baixar definitivamente, é necessário um novo dimensionamento do disjuntor, senão poderá acontecer de que sua corrente de desarme esteja maior que a corrente máxima do condutor. E como falei, para ambientes quentes, isso não é problema, desde que projetado corretamente.

Preste atenção também na diferença de temperatura ambiente entre o local do disjuntor e a extensão do circuito que ele protege. Possa ser que ele esteja num local muito mais frio que o seu condutor, assim sua corrente de disparo será maior do que a especificada, podendo ultrapassar a corrente máxima suportada pelo condutor.

5 comentários:

Anônimo disse...

Olá Carlos!
Favor me tirar uma dúvida. Há um sentido correto para ligação do disjuntor? Entrada da rede e saída para os circuitos?

Agnaldo disse...

eu quero saber se um dps de 40-a é compatível para uma carga de 8000wats?

Agnaldo disse...

no dps conecta-se o neutro ou só o fase ( ou fases)?

Marco disse...

Quanto a não seccionar o Neutro atravás de disjuntor, o que eu sei é que em instalações bi ou trifásicas a perda do neutro provoca uma elevação de tensão entre fases, podendo chegar à 380V em alguns casos.
Isto não é correto?

Anônimo disse...

como faço o dimensionamento de um disjuntor em circuitos monofasicos